PERFIL

20 de fevereiro de 2011

Antiga Morada.

Quando a poeira baixou eu vi que naquele lugar que antes habitava um sentimento, agora esta vazio. Antes me perguntava o que teria feito para merecer aquilo, e porque logo o meu mundo de emoções tinha sido o escolhido para vir ao chão. E pouco a pouco fui me dando conta que se aquele mundo fosse realmente de verdade, não teria esse fim, não. Só assim percebi que mais que ilusões faziam parte daquela construção, que sonhos perdidos, ideias esquecidas, desejos jamais atendidos ... enfim, não era um lugar seguro para o meu coração, mas mesmo assim eu tinha um apreço pelo lugarzinho, me sentia bem lá, as vezes dava de cara com essas imperfeições, mas achava que poderia, talvez com um pouco de cimento, uma boa pintura, dar fim nelas. Mas não foi suficiente, não era uma boa morada, nunca foi. Em alguns momentos me senti feliz lá, em poucos. Os demais, sentia frio, sentia medo, chorava nas noites escuras, sozinha. Não tinha companhia, não tinha ninguém pra conversar, não tinha ninguém, de verdade. Eram paredes, só paredes egoistas, sempre lindas, era um lugar muito bonito, alegre, mas sem coração. Egoista aquela minha morada, só tinha amor por sí, e eu que lá estava, fazendo de tudo por ela, cuidando e amando com todas as minhas forças e formas, ela nem sequer me olhava, sequer me dava bom dia ao acordar ou boa noite ao deitar, só pensava em sí. Maldita hora que me dispus a partir do mundo real e viver só em ti, morava injusta. Eu deixei meu coração lá, pulsando inexplicavelmente. Quando resolvi partir, olhei pra trás inumeras vezes, senti falta da minha mal habitação, talvez por costume, queria estar lá novamente, presa aquelas belas paredes, mesmo que triste. Boba! Tanto fiz que recebi mais um vez injustiças. Então percebi que se não deixasse logo aquela casa, perderia o que ainda era meu; a vida. Não poderia deixar isso acontecer, então, antes que fosse totalmente morta por ela, a casa, parti. Mas dessa vez não olhei para trás, peguei as poucas coisas que tinha, respeito, dignidade, força e determinação, e fui. A casa não sentiu minha falta, logo encontrou outra moradora, que não sei se passa, ou passará pelo mesmo que eu. Mas de uma coisa eu sei! A casa não vai durar muito tempo sem mim, porque ela foi erguida em cima das pilastras do meu amor, agora sem ele, não vai demorar muito pra ela vir abaixo. E eu não vou estar por perto quando isso acontecer, porque eu já estou procurando um novo lugar para morar. E quando eu encontrar, esse será o exato momento que aquela velha casa sentira que perdeu para sempre sua sustentação, e então, desmoronará. E seus escombros vão chorar a minha falta, e suas belas paredes nada mais valeram, porque elas sabia que a beleza não era eterna, mas que o amor que tinha, esse sim, era pra sempre. E a casa me dará valor, assim que me perder de verdade. É sempre assim!

"Mudei muito, e não preciso que acreditem na minha mudança para que eu tenha mudado." Caio Fernando Abreu ♥

13 de fevereiro de 2011

Pertubação interna.

Acordei com o pé esquerdo hoje, pensei em inumeras possibilidades de esquecer a noite anterior, mas as lembranças eram mais fortes a cada segundo. Acordei também determinada, coisa que eu nunca fui, e acredito que essa determinação seja passageira. Mas uma certeza eu tive, se eu não o fizer, outra pessoa não fará, não ele. Estou pressa a uma ilusão, e sinto que se não der cabo logo, será uma prisão eterna. Não existe mais força, mais amor ou sequer desejo se continuar nessa empreitada. Se existisse ao menos força quem sabe eu ainda estaria firme, mas acabou-se tudo. Não será você digno de tanto amor e respeito, nunca o mereceu. Você vai aprender tanto quando eu, quando sentir realmente o que eu senti. Se não passar por isso é porque nunca amou de verdade. De fato já cansei de tentar entender o que se passa na cabeça de vocês, homens. Que são capazes de amar tantas mulher, mesmo sabendo dividir cada uma delas com suas funções. Mas eu, no meu egoismo não gosto de divisões. Eu não aceito migalhas, quer quiser ser meu que seja por inteiro. Não quero amores de hora, até de meses. Não preciso mais de você! Então de uma vez por todas, me esqueça, suma e desapareça da minha vida, de mim. Talvez depois que isso acontecer eu possa caminhar tranquila, sem esse peso que eu carrego nas costas, o peso da esperança de que um dia, fosse amor que você sentia, não só prazer. Não se engane em pensar que eu não sou capaz, porque eu sou. Eu cansei de amar, de te amar.

"Ou talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor. Eu gosto de gostos, eu gosto de pele, de cheiro, de amor verdadeiro." CFA