PERFIL

27 de dezembro de 2012

Que bagunça Jéssica. -



Pior é saber que a unica solução para o problema é você permanecer nele. Mas o que eu não consigo entender é porque se torna tão difícil se libertar de algo que não influencia mais em sua vida. Se é algo tão fugaz, não deveria ser tão questionável a maneira como se desfazer disso. Mas o ponto é aquele que você não sabe como chegar ao final da questão. Até porque você não sabe direito como tudo isso começou. Porque tinha que ser? Ou porque você permitiu se meter nesse túnel nem fim e agora não consegue mais encontrar a saída. E esse processo de soltura se torna mais complicado quando o tempo passa, e quando você menos esperar se tornou um círculo vicioso. Você acha que precisa daquilo por algum motivo. Não envolve mais nada. Mas só o prazer de saber que existe é suficiente para alimentar sua alma. Aquela falsa sensação de preenchimento. Como se você fosse um copo seco, precisando urgente daquela pessoa pra te completar. E quando você realmente a tem e "acha" que esta completo. Quando ela vai embora, você descobre a rachadura que deixou escapar de novo aquela água. O problema é você. O problema sempre foi você. Embora a solução seja um nó na sua cabeça, ou melhor, na minha cabeça, eu sei que a melhor solução é abrir mão de tudo por um tempo. E procurar consertar primeiro o que esta errado comigo. Eu queria expor que não sinto mais, que não existe mais ligações de sentimento em meio a todo esse caos de situações. Mas é perca de tempo, pra mim, e pra quem quer que seja. Ninguém pode julgar o que se passa dentro de nós. Eu sei a minha verdade, eu conheço o meu coração. Então, o que é exatamente isso que continua me prendendo a você?
Eu tinha um medo irracional de me afastar de alguém e perder aquela pessoa pra sempre. Ora, mais esse não é o sentido de se afastar? Ficar longe, perder o contato, se reencontrar depois de muitos anos e descobrir que aquela decisão foi a melhor. Eu quero saber como é a vida sem esta na sombra de ninguém. Eu quero fazer a escolha certa, mesmo que esse seja o momento errado.

3 de dezembro de 2012

O amor; O amado ♥


Comprei um livro mais por gostar do autor do que pelo que dizia no título. A principio imaginei uma típica historia de amor, que no final terminaria exatamente como as outras milhares que já li. Não me importei. Como eu já disse, eu comprei por gostar do autor. Eu não sou muito fã de livros que viram filme, e na maioria das vezes nunca assisto os tais. E como esse, eu sabia que tinha um filme baseado nele. Mas eu, particularmente não troco um livro por um filme, nunca.
Ao começar o livro me deparei com a seguinte frase - O que significa amar verdadeiramente uma pessoa? - E nesse mesmo momento eu já soube que aquele livro iria ter uma importância enorme na minha vida.
Mas chega de introdução e vamos ao ponto, ao que realmente interessa ... 
Durante uma noite eu me peguei pensando nessa questão sem parar, e é claro que eu sabia a resposta. Acredito que cada um tenha sua própria forma de responder, no meu caso, eu vivia com isso dentro de mim.
Eu sempre soube que quando se ama alguém de verdade, esse amor é capaz de percorrer mundos, de resistir a distancias, de ser avassalador e indestrutível e que acima de tudo ele muda você de dentro para fora. Eu sempre acreditei no bom e velho clichê de amar é abrir mão de tudo em nome da felicidade da outra pessoa. E realmente, essa é a parte mais difícil de amar alguém. Quando você sabe que tem que morrer para que a outra pessoa possa viver. É estranho pensar que algo tão intenso possa causar tanta dor. Mas a dor é passageira, diferente do amor que é fixo. Eu sempre fiz minha analise sobre os sentimentos que existem em nós. Mas não pense que eu sabia o que era amor. Eu descobri a pouco tempo! Geralmente só se fala da dor quando ela já deixou de doer. E foi assim que eu tive peito para encarrar as minhas verdades.
E se eu estiver enganada, se eu nunca amei de verdade, aquilo que eu senti, minto ... sinto, foi algo bem próximo a isso.
Não se perdoa alguém por ter bom coração, não se esquece de magoas porque te pediram desculpas, não se deixa de odiar alguém porque isso faz mal pra alma. Essas coisas levam tempo. Mas o que acontece é que quando se ama alguém, de verdade, digo, não existe espaço para isso em seu coração. Você se magoa, você sente raiva, você deseja nunca ter conhecido aquela pessoa, você quer partir a cara dele na parede ... mas em momento nenhum você consegue odiá-lo. Você só quer que ele esteja bem!
E vem o mundo e muda os caminhos, vem a vida e mostra as direções que se deve seguir e você não estão no mesmo barco. São caminhos diferentes, vidas opostas, pessoas que cruzam seus caminhos ... e porque culpar a si por algo que simplesmente aconteceu?
E é ai que você descobre o real sentido da palavra AMOR. Quando você tem que desistir da luta, quando você se entrega aos fatos e sabe que nada pode mudar aquilo. E você acompanha a felicidade, as mudanças e vê tudo de uma forma pacifica, e até se alegra por saber que aquela pessoa esta no caminho certo. E por maior que seja o amor que você sentiu, sente e sempre sentira por aquela pessoa, você só quer a paz de saber que fez a coisa certa. Em um relacionamento só tem espaço pra duas pessoas. E respeitar as escolhas ou até mesmo o acaso é algo louvável. É impressionante como o conhecimento muda a nossa percepção. Além de aceitar tudo que aconteceu com você, ser capaz de fazer dessa situação uma lição, faz de você alguém diferente da metade do mundo.
Eu já sabia de tudo que eu precisava saber, mas é diferente quando a gente vê aquele nosso drama representado por outras pessoas, com outras conclusões. E foi isso que eu aprendi lendo o tal livro que eu falei no começo do texto. Aprendi que por mais que o seu amor seja imensurável, o que é amado vem sempre em primeiro lugar.